01/09 14:20

Instituto deve sediar próximo encontro da rede GIFE em SP

Por institutoestre

No mês de agosto, foi realizado o primeiro encontro da Rede de Investidores Sociais (RIS) do interior de São Paulo, sediado pela FEAC, em Campinas, rede coordenada pela Fundação DPaschoal e pela FEAC (Federação das Entidades Assistenciais de Campinas). O encontro foi um sucesso, com a participação de mais de vinte organizações da sociedade civil e quase trinta pessoas presentes. A expectativa para o próximo encontro, que deve ser anfitriado pelo Instituto Estre  no CEA Paulínia (SP), é de crescer ainda mais esta participação do setor de investidores do interior do estado.

“O Instituto é associado ao GIFE desde 2007, ano de início de nossas atividades”, contextualiza Mariana Rico, gerente institucional do Instituto Estre, que propôs para a rede que o próximo encontro fosse realizado no Centro de Educação Ambiental de Paulínia, sede do Instituto, incluindo uma visita ao aterro sanitário da Estre Ambiental no mesmo local. “A troca de experiências com outros investidores sociais locais é fundamental para a nossa atuação. Além da reflexão sobre a prática, abre a possibilidade da atuação em parceria, o que amplia ainda mais impacto de nossas ações”, conclui a gerente.

As Redes de Investidores Sociais do GIFE são uma alternativa para estabelecer um relacionamento mais próximo com os associados que estão espalhados em regiões distantes da capital do estado, onde sempre acontecem encontros e debates, para poder fomentar outros núcleos no país.

Erika Sanches Saez, gerente de fomento e inovação do GIFE, explica que a demanda por uma rede no interior já vinha sendo sentida. “A gente consegue ver a evolução do investimento social privado em São Paulo. Fora da cidade, coisas que damos como óbvias são um desafio, então pensamos em ampliar a fronteira geográfica e fazer essa expansão territorial levando o conhecimento para outras regiões”, conta Erika, que também acrescentou que as redes de Curitiba e do Distrito Federal já estão consolidadas. “A RIS de Curitiba tem uma autonomia muito grande, e a RIS de Campinas ainda está descobrindo seus caminhos. Hoje temos uma RIS Curitiba, RIS DF, e um embrião de RIS Porto Alegre/Rio Grande do Sul (ainda em análise), conversas para uma RIS em Manaus, e uma proposta para uma RIS RJ”, comemora a gerente de fomento e inovação.

No primeiro encontro realizado, tratou-se de um encontro inaugural da rede, para entendimento de todas as partes sobre o que é a rede, quem participa, quais os temas relevantes e a periodicidade dos encontros. “Apresentamos também as agendas estratégicas até 2019, que podem ser divididas em alinhamento do investimento social ao negócio, às políticas públicas, avaliação, comunicação no terceiro setor, governança e transparência, fortalecimento da sociedade civil e a ampliação da cultura de doação”, enumera Erika, além de contar ter trazido experiências positivas da capital paulista que poderiam ser replicadas.

Para a próxima reunião, a expectativa é um crescente dos participantes, e uma visita monitorada ao aterro da Estre Ambiental. “Quando saiu a divulgação do encontro, várias organizações procuraram a Fundação DPaschoal para participar, e esperamos ter mais gente junto no encontro lá no Instituto Estre, onde teremos a reunião pela manhã e a visita ao aterro pela tarde”, finaliza Sanches Saez. “O trabalho em rede vai desde a troca de conhecimento até a atuação conjunta”, conclui.